quinta-feira, 5 de maio de 2016

[STOP MOTION] - MASTERMIND CREATIONS ANARCHUS (a.k.a.¹ Decepticon Kaon)

Saudações Cybertronianas...




Em parceria com a Mastermind Creations, o Filmmaker Harris Loureiro apresentou seu mais novo stop motion trazendo como personagem principal a figura MMC - Anarchus (a.k.a. Decepticon Kaon).




Para quem gosta de stop motions, vale lembrar que a Transformers Fan Magazine - Special Edition 1, trouxe uma matéria especial falando sobre esta técnica de animação e também uma entrevista exclusiva com o Filmmaker Harris Loureiro.




¹ Kaon é o oficial de comunicações da Divisão de Justiça Decepticon e responsável por atualizar a lista de execuções deste grupo especial.


quarta-feira, 4 de maio de 2016

Transformers: Fall of Cybertron [Análise do Jogo]

Saudações Cybertronianas...
Análise do jogo ( c/ adaptações): Baixaki Jogos

Diferentemente do jogo Transformers: War for Cyberton, que além de ter levado "décadas" para ser comercializado aqui no Brasil e, ainda assim, a preços "estratosféricos" - como mencionamos na matéria análise desse jogo - Transformers: Fall of Cybertron chegou as lojas  - ao menos virtuais - brasileiras, com preço muito mais convidativo e está fazendo cair todo o pré-conceito existente com relação a ser somente mais um jogo com robôs, sem história, sem gráficos, sem jogabilidade, em resumo: sem graça.

Transformers: War for Cybertron conseguiu uma façanha semelhante à de Batman: Arkham Asylum — guardadas as devidas proporções. Quer dizer, ninguém mais acreditava que um jogo baseado em um super-herói poderia ser bom, da mesma forma que os fãs dos robôs cybertronianos andavam descrentes de um bom jogo há muitos anos.


Mas isso mudou. Ao desligar-se das adaptações cinematográficas, para apresentar uma mecânica de jogo não apenas fluida e atraente — e ainda um bom modo cooperativo — Transformers: War for Cybertron finalmente conseguiu imprimir seriedade a uma adaptação de jogo para Transformers. Deixando para o seu sucessor uma responsabilidade de peso ainda maior.

Entretanto, ao contrário do que muita gente poderia pensar, Transformers: Fall of Cybertron não é simplesmente uma “sequência”. Em outras palavras, não se trata aqui de um jogo desenvolvido para simplesmente extrair mais alguns tostões de uma boa fórmula.

Em verdade, Transformers: Fall of Cybertron consegue desenvolver — até a níveis apoteóticos — quase tudo o que foi apresentando no seu antecessor. Em primeiro lugar, a urgência transmitida pela história: o lendário planeta Cybertron encontra-se à beira de sua destruição, o que confere à trama um andamento frenético, desesperador e envolvente.

É claro que, simultaneamente, o modo cooperativo do game foi misteriosamente retirado e, querendo ou não, afixar personagens específicos para pontos da história acaba deixando tudo perigosamente “scriptado” — embora mais intenso. Mas, enfim, sigamos aos detalhes...

A história de Transformers: Fall of Cybertron é uma boa amostra do empenho da High Moon Studios em elevar a fórmula do primeiro game a alguns patamares acima. Basicamente, tudo aqui é incrivelmente épico, transmitindo sempre um senso de urgência.

E não é para menos: em decorrência dos acontecimentos de Transformers: War for Cybertron, o planeta natal dos Autobots e Decepticons encontra-se agora à beira da mais completa destruição. E isto deixa aos Autobots uma única solução possível: arrumar as malas e rumar para um outro planeta da Via Láctea.

Entretanto, a guerra civil entre as facções ainda não acabou. De fato, jamais esteve tão destrutiva. Dessa forma, no papel de vários personagens Autobots, você precisará, simultaneamente, arrumar as tralhas para ir embora e cuidar para não ser esmagado pelos Decepticons. Enfim, adrenalina e tensão do começo ao fim.

Um dos detalhes mais atraentes de Transformers: Fall of Cybertron é, sem dúvida, também um dos pontos mais controversos do jogo. Diferentemente de Transformers: War for Cybertron, aqui você não poderá escolher livremente os personagens no início de cada capítulo. Em vez disso, cada trecho da trama já vem com um personagem previamente estabelecido.

Mas, se por um lado isso acaba limitando a liberdade de escolhas, por outro acaba deixando tudo muito mais intenso. Afinal, todas as fases aqui são pensadas exclusivamente para Transformers específicos com poderes específicos — e o início se dá com o Autobot Scouter Bumblebee, que em nada tem a ver com a veia cômica dos filmes ou desenhos, ganhando no desfecho do capítulo uma surpreendente cena intensa do mais nobre e puro heroísmo.

Embora a qualidade gráfica em Transformers: Fall of Cybertron não seja das mais destacadas, é fato que as escolhas do design aqui conseguiu fazer deste jogo um bom trabalho. Basicamente, tratam-se das mesmas estruturas de metal decadente do primeiro jogo — com o diferencial de que, agora, tudo está desmoronando.

Para quem prefere detonar inimigos de carne e ossos do que colaborar, Transformers: Fall of Cybertron traz os mesmos modos multiplayer que garantiram várias horas de diversão no primeiro jogo. Há aqui “Deathmatch”, “Conquest” e “Capture the Flag”. Mas há uma vantagem óbvia em relação a outros jogos de tiro que apostam em modos semelhantes: aqui você pode se transformar em carros, jatos etc. — o que acaba conferindo um andamento bastante distinto.


O modo campanha simplesmente empurra um personagem. Mas o mesmo não ocorre com os modos multiplayer de Transformers: Fall of Cybertron. Na qual você poderá gastar os pontos adquiridos quando ganha níveis para conferir ao seu Transformer uma personalização — trocando armas, cores, etc.

Conforme dito anteriormente, ligar cada parte da trama de Transformers: Fall of Cybertron a um personagem específico tornou a história mais coesa... Mas também muito mais linear. Trata-se de uma “faca de dois gumes”, sem dúvida. Entretanto, é inegável: a liberdade de ação encontrada no primeiro game foi consideravelmente eliminada aqui.

É provável que a exclusão do modo campanha cooperativo de Transformers: Fall of Cybertron seja uma consequência direta da escolha narrativa da High Moon Studios. De qualquer forma, é impossível negar: grande parte da diversão e longevidade do primeiro título se devia à possibilidade de encarar a temível guerra civil ao lado de um bom amigo.

Transformers é uma marca incrivelmente conhecida. Além de brinquedos, há filmes, animações, desenhos e toda sorte de produtos com a marca da franquia. Isso poderia fazer com que as adaptações para jogos seguissem a lógica comercial do “Se tem a marca Transformers, vende!”. Mas esse não foi o caso em Transformers: War for Cybertron e, com certeza, também não é o caso de Transformers: Fall of Cybertron, tendo exigido um grande esforço de marketing e divulgação, uma vez que o histórico de jogos com a marca Transformers não é nada entusiasmante.
Continuando a boa releitura da guerra civil entre Autobots e Decepticons desenvolvida no primeiro game, a sequência consegue, simultaneamente, apresentar um clima épico e uma história coesa. Embora o modo cooperativo tenha misteriosamente se ausentado aqui, o modo Escalation está de volta, juntamente com todas as boas propostas multiplayer de Transformers: War for Cybertron  além dos packs permitindo a inclusão de diversos outros personagens como Dinobots, Zeta Prime, Perceptor, Hound, etc., e do mix de marketing por meio do lançamento de uma minissérie digital, que complementa a história contada no game, com muitas informações, como é o caso no fim da terceiro capítulo do jogo, onde Perceptor menciona a deserção de Grimlock, que abandonou o campo de batalha sem dar qualquer explicação, cuja razão está em desenvolvimento em na Digital Comics Transformers: Fall of Cybertron (Saiba mais AQUI!).


Transformers: War for Cybertron [Análise do Jogo]

Saudações Cybertronianas...

Para aqueles que ficaram curiosos a respeito do jogo-seqüência Transformers: Fall of Cybertron, e querem saber mais sobre esta nova visão do Universo Transformers, o ideal é conhecer a história desde o início, que se originou com o lançamento do primeiro jogo Transformers: War for Cybertron.

Na data do lançamento do jogo (Junho/2010), Transformers: War for Cybertron chegou ao Brasil a um preço estratosférico, algo em torno de R$ 329,99. Contudo, hoje já é possível encontrá-lo a um valor um pouco menos assustador (No Submarino está saindo a R$ 159,00 para XBox 360 e para PC no Todaoferta está custando R$ 139,88).

Transformers: War for Cybertron não é mais uma adaptação de um filme hollywoodiano, ou sequer uma versão para os video games de alguma das várias séries animadas ou quadrinizadas que compõem a mitologia Transformer.


A nova produção da High Moon Studios estrelada pelas máquinas sencientes criadas pela Hasbro é um novo capítulo na saga dos robôs cybertronianos. O jogo remete as origens do conflito entre Autobots e Decepticons, preenchendo as várias lacunas existentes na saga.


O melhor de tudo é que Transformers: War for Cybertron não se limita a trazer uma boa história: o conflito entre Megatron e Optimus Prime pode não ser uma obra-prima, entretanto, é um jogo consistente e divertido.
Mesmo sem muito alarde, a nova produção agrada em vários aspectos e deixa uma ótima impressão para os jogadores, fazendo justiça à tão explorada série de brinquedos.

A trama é original e totalmente ambientada em Cybertron, planeta natal dos Transformers e corpo do deus-robô, Primus. A história se desenvolve muito antes do primeiro contato com a Terra e mostra os primórdios da guerra entre Autobots e Decepticons.
Com a morte de Zeta Prime, Megatron enxerga o momento perfeito para iniciar uma revolta para restaurar a antiga glória de Cybertron, mesmo que à força. Para impedir os planos de domínio planetário de Megatron, Optimus Prime — o inexperiente sucessor de Zeta Prime — reúne um grupo de robôs fiéis à causa, os Autobots.
A história se divide em dez capítulos, cinco para cada facção, Decepticons e Autobots. Você joga com os dois grupos, porém pode optar se inicia a tropa com as legiões de Megatron ou de Optimus Prime. Essa escolha independe do fato de a história central se iniciar com a saga Decepticon.
Somando os personagens das duas versões, Transformers: War for Cybertron conta com um elenco de peso: são vários Transformers das duas facções, cada um com transformações e combinações de armas particulares.
Entre as estrelas do jogo estão os sempre populares Optimus Prime, Megatron, Bumblebee e Starscream, além de outros Transformers conhecidos dos fãs, mas que recebem pouco destaque nas várias edições da franquia, como os “titãs” Omega Supreme e Trypticon.
A High Moon, desenvolvedora do jogo, mesclou com muita habilidade vários elementos próprios dos títulos de ação em terceira pessoa. Assim, o título conta com um belo sistema de combate próximo e a distância, sem apelar para a já exaurida dinâmica de tiro em primeira pessoa com esquema de “cobertura”.
Cada estágio conta com três robôs em cena, sendo que você controla apenas um deles, enquanto que a inteligência artificial ou outros jogadores comandam os outros dois. Infelizmente a campanha cooperativa só pode ser jogada online, sem nenhum suporte para partidas splitscreen (tela dividida).
As transformações dos robôs multifuncionais de Cybertron não são apenas “floreios”. Todos os estágios e encontros ao longo dos níveis foram construídos ao redor da habilidade dos Transformers de mudarem entre sua forma humanoide e veicular.
Dominar ambas as formas é essencial para o seu progresso. A High Moon conseguiu entregar um jogo que recompensa tanto o pensamento estratégico quanto a experimentação e avanços impensados.
Saltos em precipícios se transformam em táticas de fuga quando você vira um jato em plena queda. A combinação de socos, tiros e transformações oferece muita versatilidade ao sistema de combate e é um dos grandes méritos de Transformers: War for Cybertron.
A campanha cooperativa online é um dos grandes atrativos, porém são nos modos competitivos que Transformers: War for Cybertron realmente se destaca. O título aposta em um esquema que mistura a estrutura de Unreal Championship com o sistema de classes de títulos como Team Fortress 2 e Bad Company 2.
Transformers: War for Cybertron volta a utilizar com sabedoria as transformações dos robôs multifuncionais da Hasbro para criar algo verdadeiramente novo. Os cenários da campanha reaparecem para sediar caóticas batalhas online.
As partidas são limitadas a dez jogadores, cinco para cada lado, porém são capazes de entregar combates tão frenéticos e disputados quanto os vistos em salas com suporte para muitos mais jogadores simultâneos.
Impulsionados pela notória Unreal Engine 3, os gráficos de Transformers: War for Cybertron fazem bonito na tela. Além de visuais de alta qualidade, o jogo também conta com designs interessantes, incluindo a remodelagem de vários Transformers — que por sinal acabaram ficando melhores do que os originais.

Mas nem só de glórias vivem os robôs de Cybertron. O framerate sofre um bocado quando os gráficos são forçados. A instabilidade não é uma constante, mas certamente deve aborrecer os jogadores mais exigentes.
Apesar de agitada, a campanha pode se tornar um tanto repetitiva, com objetivos similares e estrutura de jogo linear. Seguir por corredores estreitos espancando e fuzilando máquinas rivais é extremamente divertido, mas uma hora acaba cansando.
As batalhas contra os chefes são épicas, robôs monumentais ocupam grande parte da tela e tornam as lutas ainda mais interessantes, entretanto a ação se desenvolve de tal forma que você alternará momentos de morte iminente com algumas brechas no fogo inimigo, descarregando sua fúria no famoso “ponto vermelho” do oponente.
A High Moon fez um belíssimo trabalho à frente de Transformers: War for Cybertron. Fugindo das famigeradas adaptações papa-níqueis das películas cinematográficas, o jogo aposta na rica mitologia da franquia Transformers — que soma 18 séries de animação, 20 linhas de histórias em quadrinhos e inúmeros brinquedos da Hasbro — para entregar uma história envolvente e uma jogabilidade bem adaptada.
Transformers: War for Cybertron impressiona pela sua campanha single player e pela versatilidade dos modos multiplayer — que incluem campanha cooperativa e uma sorte de modalidades competitivas — oferecendo um jogo profundo e inventivo, fazendo justiça à rica história dos Transformers.
O jogo não é perfeito, mas o grande mérito é a sua capacidade de impressionar o jogador, que não espera encontrar algo realmente bom. Os Fãs certamente têm um prato cheio pela frente, e quem busca um bom jogo de ação também estará bem servido.


Análise do Jogo feita por Baixaki Jogos [com adaptações].

domingo, 1 de maio de 2016

[EVENTO] - Bumblebee invade Unidade Park da rede de Buffets Cata-Vento (São Paulo/SP)

Saudações Cybertronianas...




No dia 30 de abril de 2016, das 13h às 17h, a Unidade Park do Buffet Cata-Vento no bairro do Ipiranga (São Paulo/SP) recebeu o Autobot Bumblebee para um evento especial com fãs de todas as idades, trazendo a Batalha do Século entre o heróico Autobot e um maléfico Drone autointitulado Senhor de Cybertron.


Na entrada do Buffet Cata-Vento foram colocados displays do Dinobot Grimlock do filme Transformers: A era da extinção, já como um indicativo do que estava sendo reservado aos participantes do evento.


video

Com mais de 2m de altura, o herói e seu inimigo foram recebidos com entusiasmo não só pelas crianças, mas também pelos adultos.







O evento contou ainda com a presença do Youtuber Fabio Whitaker do Dinastia Transformers que animou o público e aproveitou para mostrar toda a sua perícia no game Transformers: Fall of Cybertron.



O Transformers Dioramas - Brazilian Fansite marcou presença apresentando 3 Dioramas, trazendo figuras dos 4 filmes da franquia, que foram vigiados por Soldados da N.E.S.T.





sábado, 23 de abril de 2016

[TRANSFORMERS 5] - Jerrod Carmichael pode integrar elenco do novo filme

Saudações Cybertronianas...



Jerrod Carmichael (28) está em negociação para fazer parte do novo elenco de Transformers 5. Carmichael é conhecido por ter feito filmes como Vizinhos (2014), Jerrod Carmichael: Love at the Store (2014) e a série The Carmichael Show (2015).

Ramon Rodriguez na clássica cena do banheiro Transformers: RotF

Ao que tudo indica o diretor Michael Bay vai repetir a fórmula do alívio cômico no novo filme, tal qual fez em todos os outros. As piadas são tão mal colocadas e elaboradas, que cortam totalmente a trama e acabam dando um ar de idiotice aguda aos filmes da franquia.


TRANSFORMERS FAN MAGAZINE

 
Design by W. Alex. Silva
-