16 de ago de 2019

[TRANSFORMERS MULTIVERSE] - Outros Universos e Outras Timelines

Saudações Cybertronianas...
Colaboração: Ian Melo
"Você sabia que existem mais de quinze quatrilhões de universos concorrentes? É verdade!"


Universal Continuum

O TRANSFORMERS MULTIVERSE consiste em um grande número de universos e timelines, milhões dessas realidades coexistindo em fluxos temporais únicos, ou seja, todos os universos existem temporalmente de forma simultânea. Entre essas correntes, fora do tempo e do espaço, existe o vazio interdimensional conhecido como Transwarp




Se observarmos atetamente as aberturas dos desenhos animados e animações de Transformers ao longo do tempo, podemos perceber que nela vemos apresentados diversos universos e timelines, servindo cada uma delas como uma comprovação da existência do TRANSFORMERS MULTIVERSE.



Em uma escala cósmica, a viagem entre universos é comparativamente rara, mas existem certos grupos e indivíduos dedicados a monitorar, mover-se entre e/ou proteger os muitos mundos do TRANSFORMERS MULTIVERSE, tais como Vector Prime, Ramjet os Alternities e seus sucessores, os Planicrons, os TransTechs e os Autobots do Cloud World.

VECTOR PRIME


Vector Prime é o guardião do tempo e do espaço designado por Primus. Embora a história registrada tenha 25 milhões de anos, ele afirma ter 9 bilhões de anos, tornando o um dos Treze Primes. Vector Prime é tão antigo que, em muitas linhas do tempo, os locais o chamam de "o Primeiro Autobot". Apesar de sua idade, Vector Prime é muito poderoso e pode distorcer o espaço e o tempo, entretanto o uso excessivo o enfraquece severamente. Os poderes de Vector Prime permitem que ele atravesse o multiverso à sua vontade e registre eventos em um número incontável de realidades.

ALTERNITY

Alternity Convoy (Optimus Prime)
Alternity Megatron

A Alternity (Alternities no plural) é uma forma altamente evoluída da vida cybertroniana. Eles são seres gestalts, existindo no espaço de dimensões superiores, cada um formado a partir da combinação das variações infinitas de um indivíduo singular que existe em todo o multiverso. Indivíduos são convidados a se tornarem parte da Alternity, quando juntam a inteligência coletiva do ser combinado, enquanto ao mesmo tempo retêm sua individualidade, tornando-se efetivamente todas as encarnações do ser ao mesmo tempo, permitindo que a Alternity exista. através de um número infinito de fluxos universais simultaneamente.

Para interagir com o mundo físico, os Alternities criam os denominados auto-avatares, que são comparáveis em capacidade aos Cybertronianos de muitas linhas e realidades, mas são mais avançados tecnologicamente. Em suas formas nativas, elas são compostas de Alternium, um material de dimensão superior que ressoa com as encarnações do ser da realidade em que estão e que faz parte de sua gestalt.







Originários do fluxo universal Primax 903.0 Beta (também conhecido como Binaltech Asterisk), manipular a Linha do Tempo é, no melhor dos termos, uma "proposta arriscada" para os Alternities, devido a questões de causalidade. Como resultado disso, agentes conhecidos como Protectors são empregados para lidar com ameaças às realidades. Esses agentes não são Alternities, o que evita criarem os chamados paradoxos espaço-temporais.

Acreditava-se que em sua maioria Autobots e Maximals, mas algum tempo depois, descobriu-se que existem inúmeros Decepticons nesse universo, tais como Megatron, Galvatron, Banzaitron, Shockwave, Ravage e muitos outros.


PLANICRONS


Os Planicrons são nativos do universo conhecido como Flatworld, uma versão bidimensional do universo dos Transformers. Como resultado da tentativa de evoluírem para além de sua existência bidimensional, eles se tornaram os primeiros Transformers a realmente alcançar o mantra da raça de "Até que todos sejam um!" - as teorias super-espaciais e a tecnologia de dobra que desenvolveram para comunicação simples, acabaram por fundir toda a raça numa só consciência gestáltica, que por sua vez se ligou às próprias forças de seu próprio universo. Juntos, os Planicrons fundidos se tornaram um fenômeno cósmico vivo, a encarnação de sua própria realidade, apelidada de "Cosmic Driver". O passo seguinte em sua evolução seria ir além da existência bidimensional, para os mundos de cima, mas como os universos acima já estão habitados, a extrusão da vida bidimensional neles freqüentemente causam pertubações em um níveis fundamentais nos conceitos dimensionais cruciais no cotidiano das espécies tridimensionais. Essa interferência, apesar de sutil, chamou a atenção de Megatron (G1), que acabou descobrindo a existência desse de universo tão singular.


A fim de evoluir para além dimensão bidimensional, os Planicrons sabiam que era necessário passar por uma "portal" específico para um universo mais elevado (tridimensional). Infelizmente, eles não tinham ideia de qual universo esse portal poderia ser encontrado. Alternando suas formas para forçar a saída do fluxo universal bidimensional, os Planicrons conseguiram entrar no universo Primax 905.0 Beta, utilizando um artefato (tablet) tecno-místico encontrado em um museu de arte de seu próprio universo (Flatworld). No entanto, eles haviam selecionado incorretamente a forma de entrada nesse novo universo e sua incursão interrompeu a operação da própria linguagem escrita no Binaltech Asterisk, atraindo a atenção tanto da Alternity quanto do Megatron Aggregate (Alternity Megatron), causando uma distorção que destruiu o tablet tecno-místico, impedindo assim a entrada dos Planicrons naquele universo.

Além do TRANSFORMERS MULTIVERSE está o TRANSFORMERS MEGAVERSE, uma coleção maior de universos principalmente não relacionados, mas ainda estreitamente conectados aos Transformers.


Para além do Megaverse, temos ainda o TRANSFORMERS OMNIVERSE, contendo todas as muitas realidades que existem através do infinito, desconectado dos Transformers.


Sobre o TRANSFORMERS MEGAVERSE e TRANSFORMERS OMNIVERSE falaremos em uma próxima matéria, trazendo diversas curiosidades sobre essas realidades alternativas tão distintas.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Design by W. Alex. Silva
-