4 de mai de 2016

[Análise do Jogo] - Transformers: Fall of Cybertron

Saudações Cybertronianas...
Análise do jogo ( c/ adaptações): Baixaki Jogos

Diferentemente do jogo Transformers: War for Cyberton, que além de ter levado "décadas" para ser comercializado aqui no Brasil e, ainda assim, a preços "estratosféricos" - como mencionamos na matéria análise desse jogo - Transformers: Fall of Cybertron chegou as lojas  - ao menos virtuais - brasileiras, com preço muito mais convidativo e está fazendo cair todo o pré-conceito existente com relação a ser somente mais um jogo com robôs, sem história, sem gráficos, sem jogabilidade, em resumo: sem graça.

Transformers: War for Cybertron conseguiu uma façanha semelhante à de Batman: Arkham Asylum — guardadas as devidas proporções. Quer dizer, ninguém mais acreditava que um jogo baseado em um super-herói poderia ser bom, da mesma forma que os fãs dos robôs cybertronianos andavam descrentes de um bom jogo há muitos anos.


Mas isso mudou. Ao desligar-se das adaptações cinematográficas, para apresentar uma mecânica de jogo não apenas fluida e atraente — e ainda um bom modo cooperativo — Transformers: War for Cybertron finalmente conseguiu imprimir seriedade a uma adaptação de jogo para Transformers. Deixando para o seu sucessor uma responsabilidade de peso ainda maior.

Entretanto, ao contrário do que muita gente poderia pensar, Transformers: Fall of Cybertron não é simplesmente uma “sequência”. Em outras palavras, não se trata aqui de um jogo desenvolvido para simplesmente extrair mais alguns tostões de uma boa fórmula.

Em verdade, Transformers: Fall of Cybertron consegue desenvolver — até a níveis apoteóticos — quase tudo o que foi apresentando no seu antecessor. Em primeiro lugar, a urgência transmitida pela história: o lendário planeta Cybertron encontra-se à beira de sua destruição, o que confere à trama um andamento frenético, desesperador e envolvente.

É claro que, simultaneamente, o modo cooperativo do game foi misteriosamente retirado e, querendo ou não, afixar personagens específicos para pontos da história acaba deixando tudo perigosamente “scriptado” — embora mais intenso. Mas, enfim, sigamos aos detalhes...

A história de Transformers: Fall of Cybertron é uma boa amostra do empenho da High Moon Studios em elevar a fórmula do primeiro game a alguns patamares acima. Basicamente, tudo aqui é incrivelmente épico, transmitindo sempre um senso de urgência.

E não é para menos: em decorrência dos acontecimentos de Transformers: War for Cybertron, o planeta natal dos Autobots e Decepticons encontra-se agora à beira da mais completa destruição. E isto deixa aos Autobots uma única solução possível: arrumar as malas e rumar para um outro planeta da Via Láctea.

Entretanto, a guerra civil entre as facções ainda não acabou. De fato, jamais esteve tão destrutiva. Dessa forma, no papel de vários personagens Autobots, você precisará, simultaneamente, arrumar as tralhas para ir embora e cuidar para não ser esmagado pelos Decepticons. Enfim, adrenalina e tensão do começo ao fim.

Um dos detalhes mais atraentes de Transformers: Fall of Cybertron é, sem dúvida, também um dos pontos mais controversos do jogo. Diferentemente de Transformers: War for Cybertron, aqui você não poderá escolher livremente os personagens no início de cada capítulo. Em vez disso, cada trecho da trama já vem com um personagem previamente estabelecido.

Mas, se por um lado isso acaba limitando a liberdade de escolhas, por outro acaba deixando tudo muito mais intenso. Afinal, todas as fases aqui são pensadas exclusivamente para Transformers específicos com poderes específicos — e o início se dá com o Autobot Scouter Bumblebee, que em nada tem a ver com a veia cômica dos filmes ou desenhos, ganhando no desfecho do capítulo uma surpreendente cena intensa do mais nobre e puro heroísmo.

Embora a qualidade gráfica em Transformers: Fall of Cybertron não seja das mais destacadas, é fato que as escolhas do design aqui conseguiu fazer deste jogo um bom trabalho. Basicamente, tratam-se das mesmas estruturas de metal decadente do primeiro jogo — com o diferencial de que, agora, tudo está desmoronando.

Para quem prefere detonar inimigos de carne e ossos do que colaborar, Transformers: Fall of Cybertron traz os mesmos modos multiplayer que garantiram várias horas de diversão no primeiro jogo. Há aqui “Deathmatch”, “Conquest” e “Capture the Flag”. Mas há uma vantagem óbvia em relação a outros jogos de tiro que apostam em modos semelhantes: aqui você pode se transformar em carros, jatos etc. — o que acaba conferindo um andamento bastante distinto.


O modo campanha simplesmente empurra um personagem. Mas o mesmo não ocorre com os modos multiplayer de Transformers: Fall of Cybertron. Na qual você poderá gastar os pontos adquiridos quando ganha níveis para conferir ao seu Transformer uma personalização — trocando armas, cores, etc.

Conforme dito anteriormente, ligar cada parte da trama de Transformers: Fall of Cybertron a um personagem específico tornou a história mais coesa... Mas também muito mais linear. Trata-se de uma “faca de dois gumes”, sem dúvida. Entretanto, é inegável: a liberdade de ação encontrada no primeiro game foi consideravelmente eliminada aqui.

É provável que a exclusão do modo campanha cooperativo de Transformers: Fall of Cybertron seja uma consequência direta da escolha narrativa da High Moon Studios. De qualquer forma, é impossível negar: grande parte da diversão e longevidade do primeiro título se devia à possibilidade de encarar a temível guerra civil ao lado de um bom amigo.

Transformers é uma marca incrivelmente conhecida. Além de brinquedos, há filmes, animações, desenhos e toda sorte de produtos com a marca da franquia. Isso poderia fazer com que as adaptações para jogos seguissem a lógica comercial do “Se tem a marca Transformers, vende!”. Mas esse não foi o caso em Transformers: War for Cybertron e, com certeza, também não é o caso de Transformers: Fall of Cybertron, tendo exigido um grande esforço de marketing e divulgação, uma vez que o histórico de jogos com a marca Transformers não é nada entusiasmante.
Continuando a boa releitura da guerra civil entre Autobots e Decepticons desenvolvida no primeiro game, a sequência consegue, simultaneamente, apresentar um clima épico e uma história coesa. Embora o modo cooperativo tenha misteriosamente se ausentado aqui, o modo Escalation está de volta, juntamente com todas as boas propostas multiplayer de Transformers: War for Cybertron  além dos packs permitindo a inclusão de diversos outros personagens como Dinobots, Zeta Prime, Perceptor, Hound, etc., e do mix de marketing por meio do lançamento de uma minissérie digital, que complementa a história contada no game, com muitas informações, como é o caso no fim da terceiro capítulo do jogo, onde Perceptor menciona a deserção de Grimlock, que abandonou o campo de batalha sem dar qualquer explicação, cuja razão está em desenvolvimento em na Digital Comics Transformers: Fall of Cybertron (Saiba mais AQUI!).


0 comentários:

Postar um comentário


 
Design by W. Alex. Silva
-